Como a Copa do Mundo pode gerar engajamento dentro das empresas

18/06/2018

Torneio mundial e demais “pausas” proporcionam oportunidades para gestores e trabalhadores

Engane-se quem acredita que os jogos da Seleção Brasileira na Copa do Mundo só trazem prejuízos para as empresas. As pausas na produção durante o torneio mundial, quando bem planejadas, podem ser uma ótima estratégia de gerar engajamento.

Uma das alternativas para utilizar a Copa do Mundo em benefício das companhias é focar a atividade no trabalho em equipe. Dividir os funcionários em grupos e distribuir tarefas específicas é uma forma simples e eficiente de mobilizar os funcionários.

Uma equipe pode ficar encarregada da decoração do ambiente em que os jogos serão assistidos, por exemplo, enquanto outra turma fica responsável pelos objetos de torcida. A pipoca e os demais lanches ficam a cargo da empresa que oferece os serviços de alimentação ou então, se a companhia não contar com essa possibilidade, os próprios colaboradores devem assumir essa função.

Ao reunir os funcionários em torno de um mesmo objetivo, o espírito de equipe é potencializado e as relações são estreitadas. É um momento interessante também para desenvolver e analisar as competências dos colaboradores. Algum trabalhador pode apresentar talentos de liderança até então desconhecidos e isso pode ser explorado pela empresa futuramente.

 

Relação comunitária e social

Outra forma de aproveitar a Copa do Mundo para criar um ambiente de engajamento é apostar nas relações comunitárias e sociais. O setor de Recursos Humanos (RH) das companhias deve utilizar a criatividade e explorar o patriotismo desse período para o bem da comunidade.

Um exemplo dessa estratégia é contribuir de alguma forma com a festa junina de uma escola mais carente inserida dentro da região em que empresa está. Os funcionários podem arrecadar alimentos para essa atividade ou quem sabe fornecer os valores recolhidos através dos conhecidos “bolões”.

 

Ociosidade também gera oportunidades

Além da Copa do Mundo, outras “pausas” vivenciadas pelas empresas atualmente envolvem questões como baixa produção e até mesmo greves nacionais. Algumas oportunidades, porém, podem surgir nesse aspecto para quem não deseja apenas lamentar o delicado momento do Brasil.

A ociosidade fabril proporciona um tempo livre que é ideal para as equipes organizarem os processos. Quando a produção está intensa, é muito difícil analisar os gargalos existentes com calma. Mais do que uma desculpa para trabalhar menos, portanto, essas paradas forçadas devem resultar em ótimas chances de capacitação da equipe.